segunda-feira, 23 de março de 2009

Madama Butterfly


Engraçado como a gente teima em demorar um tempo enorme para fazer novamente algo que adorou. Talvez eu não tivesse tantas rugas da última vez que fui ver uma ópera, mas lembro-me como se fosse hoje, bem... talvez ontem... Era "Bodas de Fígaro", de Puccini, ups... Rossini. Acho que agora vocês entendem porque eles não me contratam para jornal algum e sou obrigado a ficar aqui escrevendo resenhas para meia dúzia de gatos pingados como seu eu fosse aquele crítico barbudo que passa bastante maquiagem e fica parecendo meu boneco Falcon.
Mas o que eu sei é que amei, fiquei emocionado (e olha que Bodas é comédia) e cheguei a conclusão que não existe expressão musical tão profunda e completa quanto a ópera.
Alguns vários anos se passaram e ontem fui ver a madama do título no Espaço Unibanco Pompéia. Parece que era ao vivo ou quase ao vivo, mas o negócio é que foi lindo, o som era ótimo, a imagem espetacular, a platéia era bem comportada, (448 velhinhas e velhilhos + Alê e eu - lotação: 500) e quando saí de lá fiquei me questionando o porquê de ter passado tanto tempo até eu ver um espetáculo destes.
É nestas horas que percebemos claramente que o quanto mais percebemos, mais percebemos que não percebemos porra nenhuma.
Melhor que isso só na Arena de Verona... Pensaram que eu ia falar "no IMAX em 3D, né seus consumistas de paulistices!!


Nenhum comentário: