terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Plano B e Braço e Designio Divino


Chesley B. Sullemberger espetaculamente salvou as vidas dos 155 ocupantes do Airbus que sofreu pane em suas duas turbinas ao chocar-se com um grupinho de pássaros desocupados brincando de Bin Laden que passeava sobre Nova York.

Mais Designio Divino aqui? Querem saber o que eu acho? Quando se tem um plano B na manga e braço para conseguir um pouso tão espetacular, as chances de se conseguir sucesso numa empreitada destas proporções aumenta consideravelmente.

Leiam as notícias, Chesley é um piloto altamente experiente, com 40 anos de profissão e é instrutor de cursos de segurança de vôo, tem uma escola especialista no assunto. Provavelmente já decolou e pousou um incontável número de vezes daquele aeroporto, já olhou tudo em volta e já imaginou todo tipo de possibilidade antes da quinta feira dia 15 de janeiro de 2009. Ele já sabia que sem motores ele só teria a opção de pousar no rio Hudson. A decisão estava automaticamente tomada quando ele percebeu que ambas as turbinas estavam inoperantes, só restava (agora sim) contar com a ajuda divina para que não houvesse nenhum naviozão passeando no rio justo naquela hora, mergulhar o nariz para não perder velocidade (e correr o risco de estolar o brinquedo sem empuxo, não se esqueça, Joãozinho) e fazer um espetacular pouso de barriga que não só salvou a galera toda como também até as malas.

Sim, ele merece vivas, a chave da cidade, o abraço do Obama e muito mais e vem mostrar que quem voa tem que ter um plano B e ainda tem que ter braço pra segurar o brinquedo.

Um comentário:

Igelinina disse...

Houve aqui na Alemanha um jornal que julga exagerada a reacao do mundo em relacao ao sucesso do piloto no pouso do Airbus nas aguas do rio Hudson." Ele so fez a sua obrigacao" diz o jornalista. "Nao fez nada mais do que era o esperado".(...)"Herois sao os engenheiros que desenvolveram o Airbus permitindo este tipo de pouso", conclui o artigo.
Pois e, a ignorancia faz com que tudo seja visto como obvio e facil. A experiencia, o auto-controle, a competencia para agir e decidir na hora certa nao cai do céu e nao é simplesmente e automaticamente parte do "bom" trabalho. Concordo plenamente com o Sivuca!